Deslocal

           Maria Noujaim


           Metade


           André Komatsu


           Frederico Ravioli


           vão




























    



Figura Nº1

Frederico Ravioli, 2019


Frederico Ravioli é artista plástico e professor na Arco Escola-Cooperativa. Trabalha com instalações infláveis de lona plástica, esculturas e performance, várias vezes levando seus trabalhos para o interior de manifestações e protestos.

Texto por Frederico Ravioli



Para a Figura Nº1, foi utilizada lona plástica, durex e duas ventoinhas. A obra consistia em dois infláveis que percorriam a casa por caminhos distintos, cada uma nascia no piso inferior, subia as paredes até o piso superior para se encontrarem em dois objetos ovais que se engoliam e se repeliam mutuamente. O inflável transparente tinha origem na cozinha da galeria Olhão e o preto na sala de estar, ambos no 1º andar. Para percorrer esse trajeto, os tubos de ar aproveitaram as saídas de gás e de água construídas pelo arquiteto da casa, pequenos furos quadrados de 15 cm por 15 cm na parede, que permitiram uma integração mais orgânica entre o edifício e a obra.


01
02


Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Praesent sed magna at tortor pellentesque maximus. Integer nec nisi rutrum, aliquet ante sit amet, elementum nulla.

Aparentemente invisível por se tratar de ar, a chave do trabalho está na dinâmica particularmente tensa da junção das duas figuras na laje, no engolimento, repulsa e interdependência das duas imagens opostas pela cor. Seu funcionamento se dava da seguinte maneira: as lonas preta e transparente eram infladas por uma ventoinha cada uma que levava o ar por dutos até chegarem nas formas ovaladas dispostas na laje. O inflável preto se inseria dentro do transparente através de um buraco feito no segundo, porém o primeiro também tinha uma abertura na sua extremidade que fazia com que o ar soprado pela ventoinha de pressão pudesse ser expelido para ajudar a inflar a outra forma que o cobria.

Como os dois infláveis tinham furos, eles nunca poderiam atingir a sua plenitude de pressão a não ser que eles fossem os dois simultaneamente tapados. A expansão completa das figuras só pôde se dar porque a bolha transparente, ao inflar, tentava expulsar a preta para fora pela pressão interna produzida e, ao fazer isso, transformava a outra figura não mais num parasita mas numa rolha que permitia vedar seu próprio buraco e inflar a si completamente, e vice-versa. Como se pode imaginar, lona plástica - quase saco de lixo - e durex não são materiais altamente duráveis e resistentes, por vezes o sol e vento que soprava na laje desfazia esse pequeno arranjo e interrompia o equilíbrio existente. Essa desorganização durava até que, depois das intempéries, as duas bolhas pudessem voltar para sua estabilidade momentânea.




03
04
Créditos das imagens:
01, Julia Thompson
02, 03, 04 Lola Aronis


























© Duto