Deslocal

           Maria Noujaim


           Metade


           André Komatsu


           Frederico Ravioli


           vão




























    



workingathomewithkids

Stephanie Davidson, 2020


Stephanie Davidson nasceu e atualmente vive em Ontário, Canadá. Formou-se em belas artes pela Mount Allison University, estudou arquitetura na Architectural Association em Londres e então estabeleceu, junto com seu parceiro Georg Rafailidis, o escritório @davidsonrafailidis - reconhecido em 2018 com o prêmio Emerging Voices da Architectural League of New York. A dupla é também co-autora do livro "Processos de criação do espaço: um manual sobre design arquitetônico" (Routledge, 2017). Atualmente, é professora assistente do RSID, Ryerson University, Toronto.

Texto por
Stephanie Davidson



Somos quatro em uma pequena cabana. Parece que estamos em um circo, andando por aí, todos presos, uma criança equilibrada no meu ombro, a outra no meu quadril - eu sou um monstro de três cabeças. Você pode dizer que é íntimo e aconchegante ou dizer que é pequeno demais. Dou aulas online sentada na minha cama. Eu não tenho mesa e uma das crianças costuma estar sempre ao meu lado. Não há mais divisão entre profissional e privado.

Estou feliz por ter essa casa perto da praia. Sinto-me privilegiada por ser um lugar seguro nesse momento. Ao mesmo tempo, parece também opressivo e desorientador. A bagunça, a areia, as conchas, os insetos, as crianças, as reuniões do Zoom e a janela da praia - o espaço parece uma colagem sem sentido.


01
02

Antes da pandemia fechávamos as cortinas da nossa única janela grande à noite. Agora nunca as fechamos - essa janela é a nossa principal ligação com o exterior. A nossa pequena casa agora está cheia de tensões - adultos tentando trabalhar, crianças tentando brincar, todos olhando para essa mesma grande janela, em busca da praia que está fechada. Tenho feito  colagens para tentar mostrar o espaço impossível à minha volta.

E comecei algo novo agora - todos os dias tento olhar em volta e apreciar o caos das coisas que me rodeiam. Tiro fotos da bagunça - uma boneca junto com uma tigela de cereal derramado, um projeto de arte feito com palito de picolé quebrado, um envelope, uma pedra - e tento apreciá-la em termos de composição, abstratamente, separados  da minha realidade doméstica. É só bagunça ou uma composição? Posso aprender algo com isso?



03
04
Créditos das imagens:
01, 03, 05, 09 Fulano
01, 03, 05, 09 Fulano

























© Duto